Competitiva Internacional – longas

  • ALGO A ROMPER (Something Must Break)
    de Ester Martin Bergsmark
    Suécia, 85', Cor, Digital, 2014

    Uma história de amor entre dois jovens, o andrógino Sebastian e Andreas, que não é gay. São eles dois contra a educada sociedade sueca. Sonham em escapar e com o risco de se tornarem iguais a todo mundo. No meio disso está Ellie, a super-mulher crescendo em Sebastian, que Andreas ama e teme. Esse é o verão em que tudo acontece e os dois vão escolher caminhos que determinarão suas vidas para sempre. É uma luta pelo amor onde Sebastian precisa entender e deixar Ellie ir, encontrar a força em si mesmo e não deixar sua felicidade depender de outra pessoa.

    Sessões:

    30/10 Quinta-feira 17h20
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 1

  • COMO DESAPARECER COMPLETAMENTE (How to Disappear Completely)
    de Raya Martin
    Filipinas, 80' Cor, Digital, 2013

    Uma garota do campo sonha em desaparecer. Solitária, ela brinca de esconde-esconde enquanto sua mãe cita a Bíblia e seu pai encontra prazer no álcool e na história. Ela decide fazer uma peça baseada em um velho filme filipino sobre uma família que desaparece nas montanhas durante a guerra. Mas logo depois da apresentação, ela desaparece do carro e faz seus pais irem atrás dela na floresta. Um por um, todos começam a desaparecer.

    Sessões:

    31/10 Sexta-feira 18h20
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 2

  • MAIS SOMBRIO QUE A MEIA-NOITE (Darker Than Midnight)
    de Sebastiano Riso
    Itália, 94', Cor, Digital, 2014

    Davide é diferente dos outros adolescentes. Alguma coisa o faz parecer uma garota. Ele tem 14 anos quando foge de casa. Sua intuição lhe faz escolher como refúgio Villa Bellini, um parque na Catania. O parque é um mundo a parte, um mundo dos marginalizados, para quem o resto da cidade se cega. Mas um dia o passado volta a lhe encontrar e Davide precisa encarar a escolha mais difícil, dessa vez, sozinho.

    Sessões:

    01/11 Sábado 21h
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 3
    Conversa com o diretor Sebastiano Riso após a sessão

    04/11 Terça-feira 18h30
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 2
    Conversa com o diretor Sebastiano Riso após a sessão

  • NAGIMA
    de Zhanna Issabayeva
    Cazaquistão, 80’, Cor, Digital, 2013

    Nagima mora com sua amiga Anya, que está grávida, em um barraco na periferia de Almaty. Elas são irmãs, ou pelo menos consideram ser, já que no orfanato não tinham mais ninguém além de uma à outra. Quando Nagima volta pra casa com sobras roubadas da cozinha do restaurante onde trabalha, Anya assiste na maior altura um reality show sobre pessoas que vivem em um mundo diferente. Anya morre no parto e seu bebê é levado para um orfanato. Assustada, com raiva e agora completamente sozinha, Nagima decide ir atrás do que sempre foi privada: amor. Com uma teimosia juvenil, exige o que tem direito, mas lhe continua sendo negado; uma, duas, muitas vezes. Ela quer evitar que o bebê de Anya tenha o mesmo destino.

    Sessões:

    02/11 Domingo 15h30
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 2

  • O LUGAR DO FILHO (El Lugar del Hijo)
    de Manolo Nieto
    Uruguai/Argentina, 120’, Cor, DCP, 2014

    Ariel é um jovem que estuda em Montevideo, onde se tornou um militante do movimento estudantil. Quando lhe avisam que seu pai morreu, ele tem que viajar para Salto, ir ao enterro e lidar com este legado. Lá descobre que seu pai lhe deixou uma terra endividada, um cachorro velho e uma casa na cidade com uma amante que pretende ficar com o lugar e passa a morar ali com ele.

    Sessões:

    03/11 Segunda-feira 18h10
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 2

  • VIOLETA (Violet)
    de Bas Devos
    Bélgica/Holanda, 82', Cor, Digital, 2014

    Em um deserto shopping center, o melhor amigo de Jesse, Jonas, é esfaqueado até a morte enquanto Jesse assiste a tudo paralisado. O evento marca o começo de um tempo horrível de isolamento na vida dele. Sozinho com sua dor e provavelmente sua culpa, não consegue expressar o que está sentindo, nem para os pais nem para os outros garotos do grupo. As reações deles são inúteis ou distantes, já que supõem a covardia de Jesse. O incompreensível continua inacessível e os garotos andam em círculos como se nada tivesse acontecido. Até o funeral, as flores no local do crime e a prisão dos agressores parecem sem importância.

    Sessões:

    01/11 Sábado 15h
    Espaço Itaú de Cinema - Glauber Rocha - Sala 1