Atores

Aícha Marques é formada em interpretação teatral pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Atuou em mais de 20 espetáculos teatrais com destaque para Fale-me de Amor, direção de Sérgio Farias, Prêmio de melhor atriz no Festival Nacional de Florianópolis; “Ensina-me a Viver”, direção de José Possi Neto, Prêmio de melhor atriz coadjuvante no “Prêmio Braskem” 2001, e; “Uma vez, nada mais”, direção de Hebe Alves, Prêmio Braskem de melhor atriz e melhor espetáculo de 2009. No cinema, Aícha trabalhou no curta “Onde está Lynch?”, direção de Fábio Espírito Santo, Prêmio de melhor curta no Festival de Curitiba, em 2002. Atuou no filme “Jardim das Folhas Sagradas”, do cineasta Pola Ribeiro; no documentário “Cidade das Mulheres”, de Lázaro Farias, em 2008; no documentário “Trio Eletrizado” de Jorge Alfredo, em 2010.

Mateus Dantas é músico, ator, performer e produtor. Desde 2003 desenvolve trilhas sonoras ao vivo para teatro e dança, trabalhando também como ator em espetáculos teatrais produzidos em Salvador e Recife. Formado em composição musical pela ufba (2008), teve sua pesquisa de mestrado pela mesma instituição (2010) sobre os Violões de Microtom de Walter Smetak. A partir de 2008 iniciou junto ao grupo Camaraberta, a criação e construção de instrumentos musicais utilizando sucata e materiais reaproveitáveis. Também desde 2008 trabalha na composição de trilhas sonoras para cinema e vídeo, recebendo o prêmio de melhor trilha sonora com o curta metragem Carreto no Festival do Júri Popular (2011).

Paula Carneiro Dias é dançarina, performer, atriz, videomaker e produtora cultural. Possui graduação em Licenciatura em Dança pela UFBA. 2009/10 - prêmio Quarta que Dança, da FUNCEB (BA), com o solo “Para o herói: experimentos sem nenhum caráter – corpo sob papel”. Performou e produziu a instalação cênica “O Engenheiro que Virou Maçã” com o Coletivo Construções Compartilhadas (Salvador-BA)-Interações Estéticas 2008-Funarte. Performou e produziu a vídeo instalação “Um Alemão Chamado Severino”, (edital de montagem de dança– Funceb 2008), Coletivo Quitanda. 2008: treinamento de butô com o dançarino e coreógrafo Tadashi Endo, Göttigen-Alemanha. Com a parceria Aburussu realizou e produziu os trabalhos: Reconco (2006), Brucutu (2007) e Brecha (2009). Em 2007 foi premiada com a Bolsa de Residência de Pesquisa em Dança Contemporânea na Casa Hoffmann, Curitiba-PR e em 2008/09 realizou residência de criação de 3 meses no c-e-m (Centro Em Movimento), Lisboa-Portugal. No cinema, atuou nos filmes “O Homem Que Não Dormia” (2009), de Edgar Navarro, “Nego Fugido” (2008) e "Depois da Chuva" (2013), de Cláudio Marques e Marilia Hughes.

Pedro Maia de Brito nasceu em 16 de novembro de 1995, em Salvador, Bahia. Ele é estudante do terceiro ano do ensino médio e participou do grupo de teatro do colégio entre 2009 e 2012. Em 2012, tornou-se protagonista do longa "Depois da Chuva", de Cláudio Marques e Marília Hughes. Nos últimos tempos, impossibilitado de participar de grupos de teatro por conta de intensos estudos, ele procura produzir um pouco de arte e pensamento no pouco de tempo livre que tem. Pedro sonha em dirigir um filme, além de escrever um livro de recordações que servirá para que ele possa contar sobre os amigos de hoje para seus filhos.

Ricardo Burgos Pisani Silva (nascido em 16 de Junho, 1992) é um ator brasileiro e também bailarino e cantor. Ricardo nasceu em Salvador na Bahia, e mais tarde mudou-se para o Rio de Janeiro. Sua mãe sempre o encorajou a seguir a carreira desde que ele começou a estudar teatro aos 16 anos. Ricardo então começou a fazer aulas de dança e canto, e fez algumas performances em musicais como Hair, Hairspray, High School Musical, Romeu e Julieta e a Ópera dos Três Vinténs. Recentemente ele atuou no longa metragem "Depois da Chuva", dirigido por Cláudio Marques e Marília Hughes. Nesse ano de 2013, ele está em cartaz na nova montagem do Dzi Croquettes, que foi sucesso na década de 70.

Sophia Monserrat de Corral, nascida em 1995, em Salvador, cursa Bacharelado Interdisciplinar em Artes na UFBA e ama teatro, música e cinema. É atriz desde os 14 anos e sempre foi entusiasmada com arte por seu pai ser artista plástico e sua mãe ser viciada em música. No teatro atuou em performances que recriaram obras de artistas como Guimarães Rosa, Shakespeare e outros. Sua primeira experiência com cinema foi no longa metragem “Depois da Chuva”.

Versatilidade e talento definem a carreira de Talis Castro, de Ribeira do Pombal-BA, ele é capaz de caminhar muito bem da comédia do Clube dos H.I.E.N.A.S. ao drama de Arthur Rimbaud em “Pólvora e Poesia”, e traz seu talento para a história de “Depois da Chuva”. Aos 26 anos, tem uma longa história no teatro, atuando em “Clipes”, do Issucatasom; protagonizando “A Maravilhosa História do Sapo Tarô Beque”, Prêmio Braskem/2004; atuando e produzindo “Pólvora e Poesia”, sob a direção de Fernando Guerreiro, peça que foi a mais de 30 cidades do país e indicado a 5 categorias do Prêmio Braskem/2010 (vencedor de Melhor Direção e Melhor Espetáculo). No Clube de Comédia H.I.E.N.A.S, atua no “Stand-up Comedy” há 5 anos. Em “Depois da Chuva” Talis é Tales, um anarquista na essência, inconformado com a política no Brasil em 1984.

Victor Corujeira tem 21 anos, natural de Salvador BA é ator e graduando em psicologia pela faculdade Ruy Barbosa. Em 2008 integrou o elenco de “Raineke, o raposo”. Em 2010, participou de mostras que incluíam Shakespeare e iniciação à comédia, como “Rapidinhas de amor II”. Passou a integrar a CIA de comédia Xantili, da qual faz parte até os dias de hoje. Atuou nas peças “Caminhão – uma comédia vida loka!”. “Xantili Pocket – Show & improvisos”, “O Bosque dos sonhos” e “O tesouro mágico”, todos dirigidos por Xanda Fontes. Em 2012, atuou no longa “Depois da chuva” de Cláudio marques e Marilia Hughes. Atualmente, está nas filmagens do longa “A doce flauta da liberdade” com direção de George Neri, em parceria com Marcelo Sousa brito.

A atriz, diretora e arte educadora Zeca de Abreu atuou em “O Homem Nu e suas Viagens”, de Hebe Alves; “A Casa Fechada”, de Márcio Meirelles; “Volpone”, de Fernando Guerreiro; “Comédia do Fim“, de Luiz Marfuz; “Um Prato de Mingau para Helga Brown”, de Celso Jr, prêmio de Melhor Atriz no “Bahia Aplaude”; “Pontapé”, de Fernando Guerreiro. Dirigiu o espetáculo “H20 Uma Fórmula de Amor” que recebeu o Prêmio Braskem de Melhor Espetáculo Infantil. Em 2004, dirigiu “Homem não entra: só se fizer um agrado” e em 2007 “O que é, o que é? Começa com Carol e termina com Ina?”. Em 2011, atuou na peça “Trilogia Shirley”, de Claudio Simões, além do monólogo, “Cartas Portuguesas”, de Cristina Dantas. Atuou nos filmes: Eu Me Lembro, de Edgard Navarro; Cidade Baixa, de Sergio Machado e O Homem que não dormia, de Edgard Navarro, entre outros.

  • ANA LUIZA MAIA Estudante
  • Angel Marques Estudante aeróbica
  • Bertho Filho Batista
  • Carlos Betão Professor Luiz
  • Cristiane Lacerda Estudante aeróbica
  • Edbrass Brasil Músico da Crac!
  • Enrico Cappi Estudante
  • Felipe Mazza Estudante
  • Gabriel Rihan Gabriel
  • Ícaro Vila Nova Estudante
  • Inaê Moreira Performer
  • Íris Faria Estudante
  • Isaura Tupiniquim Performer
  • Iure Aziz Guitarrista da Dever de Classe
  • Júlia Versoza Estudante
  • Júlio Goes Vendedor do sebo
  • Laura Lucas Estudante
  • Leon Sampaio Leon Sampaio
  • Lili Vocalista da Dever de Classe
  • Lucas Ramos Sandro
  • Lúcio Tranchesi Diretor
  • Luísa Gusmão Modernista
  • Lulu Pugliese Professora aeróbica
  • Marcelo Rocha Professor Renato
  • Marina Novaes Modernista
  • Mauro Rodrigues Bateirista da Crac! e da Dever de Classe
  • Mila Pamplona Modernista
  • Nancy Viégas Vocalista da Crac!
  • Nayara Homem Nayara Homem
  • Nêio Mustafá Baixista da Dever de Classe e da Crac!
  • Paula Carvalho Modernista
  • Pedrinho Semanovschi Guitarrista da Crac! e sax cretino na Dever de Classe
  • Pedro Queiroz Pedro Henrique
  • Peo Oliveira Estudante
  • Thor Medrado Parnasiano
  • Yuri Matos Estudante